Bíblia fica intacta após enchete em Franco da Rocha-SP

Em meio a todo o estrago causado pelas chuvas na Câmara Municipal de Franco da Rocha (Grande São Paulo), que ficou debaixo d'água durante três dias, uma Bíblia aparentemente se manteve intacta, ainda não se sabe como. É o que diz o presidente da Casa, vereador Toninho Lopes (DEM).

Segundo ele, o livro sagrado, que estava aberto no Salmo 143-144 sobre a mesa do plenário, ficou cerca de 30 centímetros abaixo da marca d'água existente na parede (que alcançou pouco mais de 1,5 m). A enxurrada não alcançou o crucifixo que adorna a parede.


Lopes diz que o livro estava lá antes da inundação, que aconteceu na madrugada de terça para quarta-feira da semana passada. Na quarta-feira, a reportagem da Folha andou de barco ao redor da câmara, que estava cheia d´água a uma altura de mais de um metro e meio.

Ao meio-dia da última sexta-feira (14), o presidente da casa convidou a reportagem a acompanhá-lo em sua primeira visita ao local após as cheias, quando as águas já tinham baixado consideravelmente e quando o livro foi encontrado. O vereador atribui o fenômeno, ainda sem explicação, à justiça divina.

"Isso é um sinal de que Deus é justo. Mesmo com todo o prejuízo que a cidade teve, as vidas foram preservadas. Em volta estava tudo revirado: mesas, poltronas, mas a Bíblia se salvou."

Lopes diz não acreditar que a Câmara vire um lugar de peregrinação, mas afirma que o local está aberto para quem se interessar em ver o livro, cujas páginas diziam frases como "Bem-aventurado o povo ao qual assim acontece; bem-aventurado é o povo cujo Deus é o Senhor".

O presidente da Câmara informou que o prejuízo da casa foi grande e que pretende reconstrui-la com verba da prefeitura e com uma indenização que pretende pedir à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de SP), a quem responsabiliza pelo desastre em Franco da Rocha.

"A Câmara vai ter que recomeçar do zero. Perdemos 34 computadores, documentos, móveis, informações contábeis, legislações. Tenho 90% de certeza de que a culpa da inundação aqui foi da Sabesp", disse Lopes.

A afirmação se deve ao fato de a companhia ter aumentado a vazão da represa Paiva Castro, que estava com 97% de sua capacidade após as chuvas e corria o risco de transbordar.

A Sabesp nega que tenha contribuído com a inundação. Segundo, Helio Castro, superintendente da companhia, a represa evitou que as inundações na cidade fossem piores, pois segurou a maior parte das águas da chuva. Além disso, diz Castro a cidade já estava inundada devido às chuvas.


Fonte: Mural da Vila
Share on Google Plus

About Eginoaldo Oliveira

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

Breaking News