Dia da Caatinga: Uma Palavra do Pr. John Medcraft


Com certo atraso o primeiro ‘Dia Nacional da Caatinga’ foi comemorado no dia 28 de abril de 2004. Eu digo atraso por que já que a caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e 30% da flora na nossa região não ocorrem em nenhum outro lugar do mundo - eu acho que o reconhecimento da importância da caatinga pela inclusão no calendário nacional chegou tarde, mas chegou! Chegou graças à iniciativa da Ministra (ímpar) do Meio Ambiente, Marina Silva, e do Presidente (da caatinga) Lula. 
Para que serve um Dia Nacional de qualquer coisa? Serve para destacar a importância do assunto do dia, valorizá-lo e estimular a luta por ele. No caso do Dia Nacional da Caatinga precisamos entender que anteriormente se pensava que a caatinga fosse um ecossistema pobre, “mas que mentira absurda!”
Na flora foram registradas até o momento cerca de mil espécies, estimando-se que haja em torno de 2000 a 3000 plantas. A vegetação ocorre em numerosa variedade de cactáceas (mandacaru e facheiro) e bromeliáceas. Na fauna já foram identificadas 17 espécies de anfíbios, 44 de répteis, 695 de aves e 120 de mamíferos.
Mandacaru
Entretanto, a história da caatinga não é tudo beleza assim. Segundo um estudo multidisciplinar publicado pelo Banco de Dados Tropical, a caatinga originalmente abrangia uma área de aproximadamente um milhão de km2. Atualmente, sua área remanescente é de 734.478 km2, sendo que menos de 1% está sendo sob proteção de unidades de conservação. Hoje a caatinga é o terceiro ecossistema brasileiro mais degradado. 50% de sua área foram alterados pela ação humana, sendo que 18% de forma considerada grave por especialistas e a desertificação toma conta em certas áreas.
Esta lamentável destruição galopante da caatinga é um ato de loucura indescritível. A meu ver a causa principal é o latifundiário que compra propriedades gigantes só para engordar gado. A primeira medida ao comprar a fazenda é colocar o trator de esteira para desmatar a área toda. Ele está nem aí com o meio ambiente e só pensa em dinheiro. Assim todo o ecossistema é destruído, dos organismos menores aos maiores, que está tudo interligado e interdependente.
Tudo isso nos leva a refletir sobre aquilo falado pelos Índios Amazônicos: “Quando a última arvore cair, derrubada; quando o último rio for envenenado; quando o último peixe for pescado, só então nos daremos conta de que dinheiro é coisa que não se come.”
Por isso, se discute em Patos agora a formação de uma frente em defesa e valorização da caatinga. Precisamos cobrar do IBAMA e da SUDEMA medidas honestas e eficientes para salvar a caatinga. Precisamos conscientizar a todos da beleza que se chama de caatinga e que o lugar da ave não é na gaiola e sim na mata sertaneja. Precisamos dizer não ao desmatamento, à caça desnecessária e à invasão e envenenamento dos rios. Precisamos todos colocar o lixo no lixo e em nenhum outro lugar, enquanto cobramos das autoridades o destino certo e legal para os inevitáveis resíduos sólidos no final de um bom processo de reciclagem.
“Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome”. (Mahatma Gandhi)
Viva a caatinga! Viva o sertão!
Pastor John Philip Medcraft
(Veja mais fotos da caatinga pelo autor: http://www.flickr.com/photos/johnmedcraft/ )
Fonte: Patos Online
Share on Google Plus

About Eginoaldo Oliveira

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

Breaking News