São Paulo ganha o primeiro museu de Música Gospel do Brasil

A palavra “Gospel”, derivada do inglês antigo “God-spell” que significa good tidings, ou good news, em português, “boas novas,” aludindo ao Evangelho Bíblico que nos narra as “boas novas ao mundo” — ou seja, a vinda de Cristo ao Mundo —, pelos livros dos Evangelhos Canônicos de Mateus, Marcos, Lucas e João. Ainda que o termo, “Música Gospel”, possa abranger um campo da Música muito vasto, seus estilos, embora com nomes variados, possuem todos uma mesma essência e raiz — a música cristã negra nos Estados Unidos da América. Talvez, um dos velhos estilos da música negra que realmente se aproximou do Gospel, foi o Negro Spirituals (em Português, as canções harmoniosas dos “Espirituais dos Negros”). O foco desta breve história é a música que fluiu da igreja afro-americana e inspirou uma abundância de corais modernos, artistas do mercado Rhythm & Blues, e o atual Gospel contemporâneo, além de outros estilos musicais do gênero.

No Brasil, nesta mesma época, acontece a popularização do estilo musical. Nomes como Actos 2, Kadoshi, Banda Rara, Rebanhão, no rap DJ Alpiste e no rock Oficina G3 e Katsbarnéa, começam a quebrar tabus dentro dos templos evangélicos, provando que a adoração à Deus pode ser feita em vários estilos musicais.

Passado quase duas décadas da popularização do estilo no Brasil, a música Gospel brasileira hoje é um sucesso! Que fatura bilhões e chama atenção de mídias, gravadoras, políticos e investidores dispostos a mergulhar nesse mar de ritmos, cheio de oportunidades e grandes peixes, é fato. Pesquisas recentes revelam que esse mercado é um dos mais rentáveis no país. Segundo dados da Associação Brasileira de Produtores de Disco (ABPD), o estilo está presente entre os 20 CDs mais vendidos no Brasil. A Música Gospel que tinha espaço apenas dentro das igrejas no início do século XIX, hoje é executada em todos os cantos do mundo. No Brasil, espalhada em hipermercados, lojas de conveniência e lojas de discos, ela é um sucesso! Acha se tratar de um exagero na hora dos cálculos? Nada disso! A verdade é que atualmente esse mercado não pára de crescer e se multiplicar, movimenta R$ 1,5 bilhão por ano e é o único segmento fonográfico que cresce em venda de discos no País. O termômetro de tudo isso é a popularização do estilo, notado nos últimos anos nas grandes mídias: em 2007, na novela “Duas Caras”, da Rede Globo, a cantora evangélica Aline Barros teve sua música “Recomeçar” incluída na trilha sonora da novela. Em 2009, o sucesso “Faz um milagre em mim”, do cantor Regis Danese, virou tema até dos gols do “Fantástico”. Em 2010, anúncios do Ministério Diante do Trono, Irmão Lázaro, participações de Fernanda Brum, Aline Barros e Ana Paula Valadão no “Domingão do Faustão” e muitas premiações como o prêmio Hutúz onde Dj Alpiste, rapper gospel, foi um dos premiados e até o Grammy Latino, que em anos passados premiou a cantora Soraya Moraes e esse ano Marina de Oliveira na categoria Melhor Álbum de Música Cristã em Língua Portuguesa, confirmam que o mercado do Senhor tem a força.

Dentro da mesma feira, outro destaque vai ser o Espaço Hip-Hop, que vai homenagear a cultura Hip-Hop com a presença dos 4 elementos, o Break (B-Boys): que representa o corpo através da dança; o MC (Mestre de Cerimônias): a consciência, o cérebro; o DJ (Disk-Jockey): a alma, essência e raiz; e o Graffitii: a expressão da arte, o meio de comunicação. No mesmo local, vão acontecer batalhas de MC´s e DJ´s, e vai existir uma representação da Estação São Bento, para abrilhantar a festa por onde vão passar vários poetas-de-rua, além do público.

Segundo o organizador da feira e idealizador do Museu, o publicitário Marcelo Rebello, profissional reconhecido dentro e fora do Gospel, que tem em seu currículo passagem por vários eventos culturais e outras feiras, o objetivo da Expo Music Gospel é oferecer ao mercado um grande evento e um presente especial para todos os que gostam de Música Gospel, que é o Museu, ambos jamais vistos antes, com toda estrutura, transparência, seriedade e preocupação em atender às normas mundiais de qualidade total. São de Rebello as palavras: “Nossa intenção é preencher lacunas que sempre existiram dentro do mercado Gospel. Criamos um espaço totalmente dedicado à música, onde gravadoras, cantores independentes, indústrias de instrumentos musicais, lojistas, imprensa e, principalmente, o público serão muito bem-vindos. Vamos aproximar os artistas do seu público, os lojistas dos seus consumidores diretos e a imprensa da nossa feira, pois valorizamos a mídia como grandes parceiros. A Expo Music Gospel tem uma proposta totalmente inovadora e o que a torna diferente é exatamente o comprometimento com todo o mercado musical cristão, independentemente de tamanho, raça, cor, denominação ou poder aquisitivo. A feira é um grande sucesso de mídia, comercial e com certeza será de público, a marca do evento tem sido em apenas alguns meses conquistar um espaço que empreendimentos similares vêm tentando há anos sem êxito. Isto é fruto de muito profissionalismo, seriedade e, principalmente, de uma visão reta e centrada, onde a estrela maior é o Nosso Senhor Jesus Cristo. É um privilégio realizar a maior feira Gospel da América Latina e contar a história de tudo isso.”, conclui.
Fonte: Gospel Music Café
Share on Google Plus

About Eginoaldo Oliveira

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

Breaking News