Em crítica à AVON, site gay compara venda de livros do pastor Silas Malafaia a apologia ao nazismo

O site pró-LGBT Eleições Hoje publicou recentemente um artigo criticando a AVON por incluir em seu catálogo livros da editora Central Gospel, mantida pela Associação Vitória em Cristo, fundada pelo pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Acusando a empresa de cosméticos de conservadorismo, o artigo escrito por Marcelo Gerald questiona quais são as reais motivações da empresa ao vender livros de Malafaia e compara tal venda a uma livraria que apoiaria o regime nazista por vender o livro de Adolf Hitler, Mein Kampf (Minha Luta). O texto ressalta também o abaixo-assinado criado em boicote à empresa e acusa líderes cristãos brasileiros de autoritarismo.

O texto causou diversas reações e manifestações de apoio e de repúdio, entre elas a do blogueiro Fabiano Camilo, do Amálgama. Em seu texto o blogueiro afirma que o movimento LGBT no Brasil está sem foco, e por não estar conseguindo articular uma agenda, assumem uma postura demasiado reativa e pouco propositiva.

Questionando a relevância do boicote, Camilo indagou: “Por que um boicote à AVON começou somente após a empresa passar a vender livros de Malafaia? Há muito tempo, a AVON vende obras de padres católicos. A Igreja Católica à qual os padres pertencem e representam não é menos homofóbica do que a Assembleia de Deus Vitória em Cristo – no máximo, adota uma postura menos agressiva. O papa Bento 16 não demonstra nenhuma simpatia pelas reivindicações dos movimentos glbt’s e reiteradamente condena o ‘estilo de vida’ de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais”.

O blogueiro disse ainda que tal venda tem motivos meramente comerciais, e não filosófica ou religiosa: “Como entender a decisão da AVON de vender livros de Silas Malafaia? É uma grande empresa que tem o lucro como objetivo e que, de fato, obtém um alto lucro vendendo obras de religião, autoajuda, ficção trivial, culinária etc. Não há nenhuma guinada conservadora, como Gerald sugere, ao perguntar se a nova tendência da AVON é o conservadorismo”.

“A relação de livros vendidos pela empresa não permite dúvidas: a opção da AVON pela ideologia conservadora é antiga e rentável”, afirmou Camilo que disse ainda que o boicote é inútil e que o movimento GLBT está, de maneira contraditória, se envolvendo em falsos combates.

Em certo trecho do texto contra a Avon, Gerald questiona: “vamos imaginar que uma grande livraria colocasse como destaque em suas vitrines o livro de Adolf Hitler, Mein Kampf como grande sugestão de leitura. Alguém diria que isso é liberdade de expressão?”

Em resposta à colocação do ativista gay, Camilo afirma: “Lembro-me de que, no final da adolescência, várias vezes vi Minha luta à venda, com destaque, em uma livraria de shopping center. Nunca me ocorreu, como hoje tampouco me ocorre, que o proprietário ou o gerente fossem nazistas”. O blogueiro fala ainda da republicação de obras da época da inquisição e critica Gerald por ignorar a importância histórica de se republicar livros como o de Hitler.

Fonte: Gospel+
Share on Google Plus

About Eginoaldo Oliveira

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

Breaking News